Tecnologias educacionais: 3 dicas para medir e acelerar a efetividade dos processos de aprendizagem

Atualizado: 12 de Jan de 2019

Você já parou para pensar no ritmo em que a tecnologia está evoluindo? Tem sido em escala exponencial, nunca vista antes, não é mesmo? E com os impactos tecnológicos na educação não têm sido diferente. Hoje a tecnologia já permite transformar qualquer lugar em um espaço para se aprender.


Com o avanço atual, não se discute mais se faz sentido iniciar ou não uma transformação digital. A pergunta mais adequada no momento deveria ser: por onde começar a transformação digital?


Hoje em dia, dispomos de muitos recursos que ajudam a mapear e a mensurar os processos de aprendizagem de adultos. Para te ajudar a refletir sobre o uso de algumas dessas ferramentas, vou compartilhar 3 dicas, tendo em vista a tecnologia atualmente disponível, as vantagens e os desafios.





1. Colete todos os dados possíveis utilizando recursos digitais


Na era do big data, o campo da educação de adultos também passa por uma reformulação dos mecanismos de dignóstico e avaliação para a aprendizagem, tornando essa tarefa mais acessível a todos.


Recursos como Google Forms (Google for education), Mentimeter, formulário em sistemas proprietários e tantos outros aplicativos ajudam a coletar e analisar dados gerados nas interações dos estudantes com o processo de ensino e aprendizagem.


Contudo, é sempre importante observar a maturidade do contexto em que for utilizar essas tecnologias e o nível de apoio institucional disponível.


Vantagens

  • Permite rápida identificação das características dos estudantes (ex.: estilo de aprendizagem, conhecimento prévio, experiência anterior, etc.)

  • Agiliza o processo de feedback, dando oportunidade a estudantes e professores de realizar ajustes em tempo real na jornada de aprendizagem

  • Reduz custos com impressão de formulários em papel

  • Reduz drasticamente o tempo entre a coleta e a análise dos dados


Desafios

  • Assegurar apoio institucional para utilizar sistemas externos

  • Criar uma política de armazenamento e uso dos dados coletados

  • Desenvolver competências digitais com os docentes

  • Criar formulários de entrada de dados que sejam intuitivos e fáceis de utilizar

2. Use o poder da aprendizagem móvel


“Os aparelhos móveis estão transformando o modo pelo qual nós nos comunicamos, vivemos e aprendemos. A aprendizagem móvel oferece formas modernas que ajudam no processo de aprendizagem por meio de aparelhos móveis, como notebooks, tablets, MP3 players e smartphones. Devemos garantir que essa revolução digital torne-se uma revolução na educação, promovendo uma aprendizagem inclusiva e de melhor qualidade em todos os lugares.” Unesco Brasil


Nesse contexto, apontado pela Unesco, surge o conceito mobile learning, que pode ser traduzido como aprendizagem móvel e entendido como integração das tecnologias móveis no contexto educativo.


Nos últimos anos, temos visto um aumento no número de aplicativos e de dispositivos que podem ser utilizados para a entrega de conteúdos e a colaboração entre os participantes dos processos de ensino e aprendizagem. Porém, o campo é bastante fértil e muitas inovações ainda estão por vir.


Vantagens

  • Mobilidade: o aluno carrega o smartphone ou o tablet – e os estudos – para onde quiser; assim, a experiência de aprendizado vai além da sala de aula ou de casa

  • Aprendizagem social: assim como acessa redes sociais, apps e SMS, o aluno também se conecta a conteúdos educativos e envia instantaneamente mensagens para colegas e professores

  • Disponibilidade: seja na memória física do dispositivo, seja na nuvem, no mobile learning, o acesso ao conteúdo está constantemente à disposição do aluno

  • Avaliação: é possível monitorar as atividades do aluno que estuda com soluções móveis. Esses dados servem de análise e nos ajudam a tomar decisões futuras

  • Autodidatismo: com um mundo de informações na palma das mãos, o aluno pode ir além do proposto em sala de aula e começar a estudar por conta própria

Desafios

  • Integrar todos os aplicativos disponíveis de maneira ágil e simples

  • Implementar uma política de segurança para acesso e armazenamento dos dados gerados

  • Desenvolver competências digitais com os docentes

  • Assegurar o foco e o engajamento do aprendiz diante de um ecossistema de aprendizagem

3. Considere plataformas tecnológicas para dar suporte ao planejamento e monitoramento das experiências de aprendizagem


Grande parte dos sistemas atualmente disponíveis para auxiliar educadores e estudantes nos seus processos de ensino e aprendizagem estão pautados no modelo tradicional de transmissão de conteúdo.


A transformação que a moderna aprendizagem de adultos propõe é focar no processo de aprender, e não somente no ensino. E para isso, é fundamental que possamos avaliar o progresso da aprendizagem de todos os participantes.


Essa mudança nos padrões de ensino consequentemente reverbera alterações nos processos, sendo necessário reformulá-los e avaliar se os sistemas existentes se adequam às novas regras. Inclusive, já existem no mercado mundial sistemas orientados à aprendizagem e com funcionalidades que permitem ao educador e ao estudante desenhar e monitorar toda essa experiência.


Vantagens

  • Suporta a automatização de atividades educacionais

  • Serve de bússola para orientação dos educadores e dos estudantes no processo de ensino e aprendizagem

  • Reduz consideravelmente o tempo de construção dos planos de aula

  • Fomenta e dá suporte à colaboração entre professores e gestores educacionais

  • Agiliza o acesso dos educadores a boas práticas desenvolvidas mundialmente


Desafios

  • Promover a integracão de um novo sistema ao ecossistema de softwares existente

  • Influenciar educadores e estudantes a adotarem plataformas de planejamento como espaço de construção conjunta das experiências

  • Assegurar apoio institucional, principalmente da área de Tecnologias da Informação e Comunicação


Como você viu, a tecnologia pode influenciar positivamente vários estágios da cadeia de valor. Desde o design da experiência de aprendizagem, passando pela criação e distribuição de conteúdo, gestão das atividades educativas, colaboração entre os participantes, avaliação da aprendizagem e credenciamento


As dicas elencadas acima são algumas das possibilidades de uso da tecnologia no design de experiências. Esses recursos têm tornado possível uma educação de melhor qualidade, acessível a mais pessoas e, principalmente, assegurando que elas possam aprender onde, quando e como quiserem.


Há estudos recentes, como o relatório da NMC Horizon Report Preview > 2018 Higher Education Edition, organizado pela EDUCAUSE, que tentam apontar o rumo para o qual avançarão as inovações tecnológicas no contexto da educação superior. Abordaremos esses temas interessantíssimos em breve.


Fique ligada(o)!

0 visualização